PLS-176/2011 Armas de Fogo e Direito

20/05/2011 por Roberto Infanti Deixe um comentário »

Lamentável a posição do Senador Cristovam Buarque. Se a idéia não era votos/populismo, “o tiro saiu pela culatra”. Que idéia infeliz! Isso é coisa que só se espera do Sr. Sarney.

Estou profundamente decepcionado com o Senador Cristovam Buarque por ter apresentado o PLS-176/2011, que trata da proibição da comercialização e aquisição de armas de fogo e munição em todo o território nacional. Sempre reputei a esse parlamentar grande respeito por sua capacidade e conduta. Contudo, esse projeto representa um tapa na cara do povo brasileiro, que foi às urnas e disse não à supressão de seu direito a ter uma arma. É um desrespeito à democracia e uma forte demonstração de inconformismo com a opinião daqueles que são contra as suas propostas. Digo isso para não levantar a possibilidade de ter o nobre senador caído em tentação e pego uma carona no bonde do Saney, aproveitando assim para surfar nas ondas do populismo. Não irá o nobre senador salvar a nação com uma atitude covarde e antiética, retirando direitos do povo. Ações como a proposta mais parecem ter como objetivo desviar a atenção de problemas mais sérios do que realmente a preocupação com a violência.  Até o nome dado ao projeto causa repugnância “Lei Realengo”, pois parece ter sido escolhido com o forte propósito de vínculo às matérias veiculadas na mídia.

Para esse pseudo-intelectual e seus asseclas fica muito cômodo falar em desarmamento pois anda com enorme número de seguranças, todos armados, assim como seus familiares. Dê o exemplo, passe a circular no meio do povo e sem seguranças. Coloque seus filhos e netos nas escolas públicas. Depois conversamos sobre o tema em tela.

Por que será que os parlamentares não mostram a mesma indignação com respeito à violência no trânsito, onde motoristas cometem as maiores barbáries? Por que não têm a mesma preocupação com as carteiras de motorista? Quanto à formação dos motoristas? Quanto à punição de motoristas infratores? Ah… já sei! É porque seu familiares indisciplinados podem vir a ser punidos por infrações de trânsito e aí nada como ter uma legislação frágil e medíocre para poder burlar e quem sabe, na pior situação, pagar cesta básica ou prestar serviços comunitários. E quanto às gangues que vêm espancando pessoas frágeis até a morte? Por que não se preocupam com a violência nas escolas? A vigilância contra o uso de drogas, bebidas e sexo nas escolas?

Por coincidência, neste momento estou vendo uma reportagem no Jornal da Tarde, da Rede Globo, mostrando alunos espancando e humilhando outros mais novos e mais fracos em uma escola. E aí Sr. senador? Os agressores não estão armados. Estão em grupo usando os punhos e os pés. Que tal proibir o funcionamento de escolas de artes marciais em todo o território nacional.

Aqueles monstros que espancaram e ao final um deles deu uma facada nas costas do garoto lá em Jaraguá/SC… não seria prudente proibir o uso de facas de cozinha ou então somente autorizar o uso de facas sem ponta na cozinha, igual aqueles programas infantis que recomendam o uso de tesoura sem ponta  ou um adulto perto. Talvez seja interessante quando do uso de facas na cozinha a dona de casa ter um parlamentar por perto!

Pare de querer chamar a atenção do povo com medidas tolas, enganosas, populistas, que não são da sua estirpe e passe a olhar a realidade deste país. Deixe a enganação, o teatro político aos populistas como o Sr. Sarney. “Armas não matam… pessoas matam”. Melhore as pessoas e estará resolvido o problema.  O que o Sr. Está propondo é “matar a vaca para extrair o berne”.

Sou trabalhador, cumpridor dos meus deveres, pagador dos meus compromissos, entre eles os impostos que pagam seus poupudos rendimentos e não quero que vocês me tutelem e digam o que é melhor ou pior para mim. Quero sim ter o meu direito de ter uma arma, respeitado. Posso ter ou não, entretanto essa é uma prerrogativa minha. Eu decido! Com todo respeito nobre senador, procure pensar em uma forma de conter a violência propondo educação, trabalho e oportunidades à população, principalmente aos jovens e àqueles que passaram de 40 anos e não encontram mais oportunidades no mercado de emprego. Proponha maior rigor e o efetivo cumprimento da legislação em todos os setores do direito procurando acabar com as facilidades do Estado em detrimento ao direito do cidadão; faça o Brasil deixar de ser o paraíso dos marginais, no tocante ao direito criminal. Até o Batisti preferiu o Brasil!!!

Como o Sr. pode observar, nobre legislador, há coisas muito mais importantes e urgentes com que se preocupar.

Quero, por fim, esclarecer, que não se trata de ter ou não ter uma arma, comprar ou não comprar uma arma, mas sim ter os meus direitos preservados. Não se trata da arma e sim do meu direito. NÃO QUERO ABRIR MÃO DE NUNHUM DIREITO MEU!

Faça cortesia com o seu chapéu!

 

4 comentários

  1. cELSO disse:

    Porra!!!!!
    O cara é comunista!!!
    Ta decepcionado??? Vc achou que ele se importa com a opinião da população “burguesa”?

  2. Olá Celso, bom dia!
    Você está certo quanto a importância que esse senhor dá à opinião pública, como todos eles na verdade. Entretanto, quanto a ser comunista, eu não concordo, pois o patrimônio do nobre senador é bastante robusto e eu não vi ele dividir com ninguém, nem tão pouco a poupuda renda que o Estado lhe deposita.
    O nobre senador, agora, apresentou um projeto para cancelar o plebiscito do desarmamento, onde o povo brasileiro expressou sua opinião de maneira inequívoca nas urnas, e fazê-lo novamente. É gostoso fazer festa com dinheiro do povo! É tão sem vergonha que propôs que os parlamentares deveriam usar os serviços públicos de saúde e educação e, quando inquerido pelo CQC, programa da Band, se seus colegas não ficaria bravos com ele pela medida apresentada, o mesmo teve a desfaçatez de dizer que “naõ seria para agora e sim para quando ELE deixasse o congresso”. Por aí dá pra você ter uma idéia do caráter do nobre sanador, não é? Estou ainda mais descepcionado.
    Abraço,
    RI

  3. Jelder disse:

    Prezado Dr. Roberto boa tarde.

    O senhor não poderia ter expressado melhor o sentimento da maioria da população brasileiro, e inclusive o meu! parabéns pela iniciativa.

  4. Olá Jelder, boa tarde!
    Obrigado pelo comentário.
    Abraço,
    RI