Causa e Efeito

23/01/2014 por Roberto Infanti Deixe um comentário »

CONTINUAMOS ATACANDO O EFEITO

Não sei se é proposital, mas vejo que quando se tenta resolver o problema da segurança pública, tanto a mídia em geral, como os órgãos de classe insistem em atacar o efeito, esquecendo-se da causa no tocante ao caos da segurança que vivemos.

Procuram soluções simples, populistas e imediatas, evitando atacar a questão frontalmente. Preocupam-se com as armas de fogo, com a maioridade penal, a violência e outros assuntos do gênero. Contudo, esses são os efeitos. Parece que a intenção é desviar o foco do problema.

Será que alguém acredita, de fato, que se reduzirmos a maioridade penal, os menores deixarão de praticar crimes, ou por outro lado, os criminosos deixarão de se utilizar dos menores para se safar da pena, como têm feito até agora?

Será que alguém acredita que a proibição de venda e compra de armas de fogo irá resolver o problema? A ponto do Brasil ser ridicularizado nos USA por restringir a compra de armas de brinquedo.

O que ocorre, verdadeiramente, é que a violência transformou-se em produto, meio de subsistência de jornais sensacionalistas, de emissoras e mídia escrita com poucas perspectivas. Vê-se âncoras de programas televisivos dando as sugestões mais estapafúrdias, inexequíveis, impossíveis, induzindo os cidadãos de bem a acreditar em algo intangível. O pior é que até para as soluções mais despojadas, dependeríamos de um grande esforço de vontade política. Só que os políticos estão preocupados em melhorar, ainda mais, as suas vidas, de seus familiares e amigos e, sem nos esquecermos daqueles que investiram em suas campanhas, que em algumas situações, fazem parte do mundo do crime.

A causa desse fenômeno está na desesperança.

A desesperança é motivada por congressos e câmaras de baixíssimo nível, que vêm sendo formadas desde a redemocratização. É também causada por governos corruptos, e, em especial, por seu braço mais importante e significativo no tripartite… o Legislativo, seja federal, estadual ou municipal. É dali, da casa das leis, que sai o freio do Executivo, e a ferramenta do Judiciário.

Políticos corruptos matam mais que armas. Eles matam as oportunidades, o futuro, as expectativas. Crianças sem escolas, escolas sem professores ou com professores mal formados, sem merendas, alunos de má qualidade, sem transporte escolar; doentes sem hospitais, hospitais sem médicos e todos no vermelho, sem falar nos médicos sem caráter que ganham sem trabalhar; e assim vai, em uma crescente bola de neve.

A pior notícia é que do jeito que está, é melhor que não mexam em nada, ou poderá piorar.

Os comentários estão fechados.